Andrés Segóvia

  Home Acima O Violão em São Paulo Violão Mandrião

 

Pouquíssimas vezes podemos afirmar em toda a história da música que somente uma
pessoa tenha impulsionado um instrumento até o ponto de resultar no desenvolvimento
decisivo do mesmo.
Segóvia, aliás, enobreceu o violão, um instrumento mal visto no mundo da música
séria e que quase não se cultivava dentro dele - estava mais limitado ao campo da
música popular e do flamengo, e confinado portanto em festas e tavernas -
convertendo-o em respeitável todas as partes, habitual e até imprescindível nos
conservatórios e escolas de música do mundo inteiro. E, não bastando, impulsionou
decisivamente a composição de peças pensadas expressamente para o violão, cuja
literatura era muito escassa: Castelnuovo-Tedesco, Falla, Hindemith, Ibert, Jolivet,
F. Martin, Milhaud, Moreno Torroba, Ponce, Rodrigo, Roussel, Tansman, Turina e
Villa-Lobos são alguns dos grandes compositores que escreveram, graças ao estimulo
de Segóvia, para o violão. Além disso, Segóvia transcreveu para o violão uma grande
quantidade de obras compostas originalmente para alaúde, cravo e inclusive para 
piano (páginas de Chopin, Mendelssohn, Brahms, Grieg, Granados, Albéniz, Acriabin,
Debussy, etc.).

Andrés Segóvia nasceu em Linares (Jaén) em 21 de fevereiro de 1893. Aos 5 anos teve
a ocasião de escutar pela primeira vez um violão, tocado por um músico flamengo; a
primeira impressão que lhe produziu - ele mesmo contou - em um tosco rasgueado foi 
desagradável, mas logo seu canto o seduziu irremediavelmente. Em seus anos mais 
maduros, Segóvia afirmou:"Me gusta mucho el flamenco auténtico, que se toca con
dedos fuertes, con brusquedad, pero desde dentro del alma", sin embargo, "la guitarra
clásica y la flamenca son caras opuestas de la misma montaña, pero nunca se
encuentram". Horrorizada, sua familia, frente à forte inclinação que o garoto
sentia por um instrumento tão "vulgar", tentaram desviar sua atenção para o violino,
o violoncelo ou o piano, mas tudo foi inútil. Aos 10 anos, e com a oposição familiar,
mas com a absoluta determinação que sempre o caracterizaria, comprou seu primeiro
violão e recebeu as primeiras lições: fora do Conservatório de Granada onde aprendia
teoria musical, já que ali não se ensinava o violão. Lições que forçosamente foram
muito breves, pois o pouco que podiam ensinar-lhe o aprendeu em poucas semanas. Assim,
para seu bem, se viu forçado a ser autodidata, e conforme ele mesmo ressaltou, "no hubo
serias desavenencias entre profesor y alumno". O único grande guitarrista que
pode aprender algo diretamente, quando sua personalidade já estava bem formada, foi
Miguel Llobet, discípulo de Tárrega.

Em pouco tempo, Segóvia desenvolveu uma técnica incomparável; aos 16 anos deu seu
primeiro recital em Granada, com tão grande êxito que pode apresentar-se
sucessivamente em outras cidades espanholas, culminando o ano de 1912 em Madrid, e
levando-o em 1916 a um giro pela América do Sul. Sua apresentação em Paris, em 1924,
graças ao apoio de Pablo Casals, causou verdadeira sensação, inclusive nos
assistentes tão ilustres e exigentes como Paul Dukas e Manuel de Falla: assombraram,
sobretudo, suas reveladores interpretações de Bach (transcrições feitas por ele mesmo),
um patriarca da música, embora até então não suficientemente conhecido. E o fizeram 
enveredar pelo amplíssimo campo do repertório barroco que potencialmente se abria
para o violão, o que foi se tornando uma realidade nos anos seguintes. Nesse mesmo
ano tocou pela primeira vez em Londres, logo por toda a Europa - Rússia incluída - e
em 1928 fez sua estréia nos Estados Unidos. Os triunfos foram sucedendo-se e sua fama
se estendeu por todo o mundo. Em 1927 gravou em Londres seus primeiros discos - o
primeiro violonista clássico que o fazia. Exatamente 50 anos depois gravaria em Madrid
os últimos. cultivava o repertório, em boa parta esquecido, de seus predecessores
espanhóis, virtuosos do violão de celebridade efêmera, e acertou em absorver suas
técnicas, até então irreconciliáveis: Dionísio Aguado usava somente as unhas da mão
direita, enquanto que Fernando Sor e Francisco Tárrega a ponta dos dedos. Segóvia
compreendeu que, para obter toda a gama de sonoridades que o violão escondia, não
podia limitar-se a uma ou a outra, senão combina-las. Assim, a riqueza de seu som,
"de ferro e de veludo", como foi descrito, e com todos os graus e tonalidade de cor
entre um e outro, foi algo sem precedentes...e é preciso reconhecer que nenhum de
seus discípulos ou seguidores tem conseguido iguala-se neste aspecto.

Para a plena realização deste alcançe, também compreendeu Segóvia que seria preciso
trabalhar estreitamente com os mais competentes construtores de violão (como Ramirez
e Hauser), estimulando-lhes e aconselhando-lhes até conseguir violões capazes de uma
maior suavidade ao invés de uma voz rotunda. A partir da Segunda Guerra Mundial,
aprovou o uso, adotanto ele mesmo, das cordas de nylon. Em seus inumeráveis recitais
ao longo de todos os continentes, Segovia tocava não somente em salas reduzidas, mas
também em grandes auditórios, nos quais conseguia um clima de recolhimento e atenção
que foi batizado como "o silêncio Segovia".

Mas sempre se negou a amplificar seu som; em realidade, e diferentemente de outros,
não necessitava. "La guitarra no suena poco, sino lejos", costumava dizer.

Seu primeiro casamento foi com Paquita Madriguera, pianista discipula de Granados,
tiveram dois filhos, Andrés e Beatriz. Mais de meio século depois, aos 77 anos de
idade, Segovia engendrou seu terceiro filho, Carlos Andrés, com sua segunda esposa,
Emilia del Corral. Em 3 de junho de 1987, Andrés Segóvia morria em Madrid depois de
ter conseguido do mundo musical um reconhecimento tão alto e tão unanime como muito
poucas vezes alguem tenha obtido. Basta somente um testemunho, de um dos maiores
violinistas da primeira metade do século 20. Fritz Kreisler, quem afirmou que no
século XX soube somente de dois interpretés verdadeiramente grandes, Pablo Casals e
Andrés Segóvia (ambos espanhóis, curiosamente). De uma lucidez fora do comum até os
seus últimos anos, Segovia continuou até o final ativo como concertista - sua última
aparição publica foi em Miami, na primavera de 1978 (78 anos dando concertos) - e
como pedagogo: as últimas aulas que ministrou foram em Nova York somente 3 meses
antes de morrer. Quando, em uma ocasião, um amigo lhe perguntou porque não diminuia
sua intensa atividade em uma idade tão avançada, respondeu: "Terei toda uma
eternidade para descansar..." Distantes de terem perdido sua referencia depois de
seu desaparecimento,  permanece viva e extraordinariamente ativa em seus discípulos -
Laurindo Almeida, Siegfried Behrend, Ernesto Bitetti, Carlos Bonell, Julian Bream,
Leo Brouwer, Alirio Díaz, Eduardo Fernándz, Eliot Fisk, Oscar Ghiglia, Sharon Isbin,
Alexandre Lagoya, Christopher Parkening, Ida Presti, Konrad Ragossnig, Pepe e Ángel
Romero, John Williams, Kazukito Yamashita, Narciso Yepes... - e indiretos todos os
demais, pois não há violonista clássico que não parta dele; inclusive no campo da
música "ligeira" não lhe faltam alunos triunfantes como Chet Atkins e Charlie Byrd;
até os Beatles disseram uma vez que "Segovia foi nosso papa". O inquestionável é que,
graças a Segovia, o violão é hoje um instrumento popular e respeitado em todo o
mundo.

Texto extraído do site 
Guitarreando


 

 

Google

Web

www.violaomandriao.mus.br